Desempenho agronômico de novas linhagens de amendoim no Triângulo Mineiro

Autores

  • Jair Heuert Programa de Melhoramento do Amendoim – Embrapa, Santo Antônio de Goiás, GO, jair.heuert@embrapa.br https://orcid.org/0000-0002-2064-4263
  • Antonio Carlos Aparecido Filho MGV Agroindustrial Ltda., Iturama, MG, antonio.carlos@mgvagroindustrial.com https://orcid.org/0000-0003-4776-2865
  • Maxuel Fellipe Nunes Xavier Discente de Agronomia do IFMT Campus São Vicente – Centro de Referência de Campo Verde, Campo Verde, MT, maxuelfellipe90@gmail.com https://orcid.org/0000-0003-0822-4992
  • Taís de Moraes Falleiro Suassuna Programa de Melhoramento do Amendoim – Embrapa, Santo Antônio de Goiás, GO, tais.suassuna@embrapa.br https://orcid.org/0000-0002-6360-5168

DOI:

https://doi.org/10.17648/sas.v1i1.22

Palavras-chave:

Arachis hypogaea L., Programa de Melhoramento, Produtividade

Resumo

PProdutores de amendoim tem encontrado boas condições para o cultivo e comercialização em diversas regiões, entre as quais o Triângulo Mineiro. O desenvolvimento de cultivares adaptadas a esta região deve atender aos requisitos de mercado, além de adaptação ao cultivo em áreas de renovação do canavial. Objetivou-se com este trabalho avaliar desempenho agronômico de novas linhagens de amendoim no Triângulo Mineiro. O ensaio foi realizado em Iturama-MG, em área de renovação de canavial, na safra 2019/20, e semeadura em 24 de outubro de 2019. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com quatro repetições e dez tratamentos: as linhagens 18-1943 OL, 18-1944 OL, 18-1964 OL, 18-1973 OL, 18-2010 OL, 18-2055 OL, 18-2160 OL, 18-2182 OL, 18-2194 OL e a cultivar BRS 423 OL, desenvolvidas pelo Programa de Melhoramento do Amendoim da Embrapa. As parcelas eram constituídas por duas linhas de três metros de comprimento, com intervalo de três metros entre parcelas e espaçamentos entre linhas 0,90 m. Aos 130 dias após a semeadura foi realizada o arranquio das plantas. Após cinco dias de secagem das plantas na área experimental, foram feitas as avaliações de massa de 100 grãos (g) e produtividade de vagens (kg ha-1, sacas ha-1 e sacas alqueire-1), mediante a colheita e pesagem de vagens da área útil de dois metros centrais das duas linhas, totalizando 3,6 m2. Houve diferença significativa para severidade de mancha preta, massa de 100 grãos e produtividade de vagens. As menores notas de severidade de mancha preta foram obtidas nos genótipos BRS 423 OL, 18-2055 OL, 18-2194 OL e 18-1964 OL. Foram identificados diferentes tamanhos de grãos com amplitude para atender diferentes mercados. As linhagens 18-2010 OL e 18-1973 OL foram as mais produtivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-10-14

Edição

Seção

Anais do XVII Encontro Sobre a Cultura do Amendoim