Competição entre híbridos de milho com plantas daninhas

Autores

  • Leandro Galon Engenheiro Agrônomo, Doutor em Fitotecnia, professor do curso de Agronomia e do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim; e-mail: leandro.galone@gmail.com. https://orcid.org/0000-0002-1819-462X
  • Ricardo Luis Gabiatti Biólogo, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental da Herbologia da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim; e-mail: ricardo.gabiatti@edu.sesisc.org.br. https://orcid.org/0000-0002-9873-7443
  • Luciana Renata Agazzi Discente de Agronomia da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim, e-mail: luci_agazzi@hotmail.com. https://orcid.org/0000-0001-8157-6244
  • Sabrina Natalia Weirich Discente de Agronomia da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim; e-mail: weirichsabrina@hotmail.com. https://orcid.org/0000-0001-8422-2126
  • André Luiz Radünz Engenheiro Agrônomo, Doutor em Agronomia, professor de Fitotecnia da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim, e-mail: andre.radunz@uffs.edu.br. https://orcid.org/0000-0002-2397-011X
  • Daiani Brandler Doutoranda em Agronomia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campou Pato Branco, e-mail: daianibrandler@hotmail.com. https://orcid.org/0000-0002-3347-0522
  • Leonardo Brunetto Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, da UFFS, Campus Erechim; e-mail: leonardobrunetto@outlook.com. https://orcid.org/0000-0002-8252-6908
  • Antônio Marcos Loureiro da Silva Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, da UFFS, Campus Erechim, e-mail: antoniomarcoslsr@gmail.com. https://orcid.org/0000-0001-7198-8616
  • Ignacio Aspiazú Engenheiro Agrônomo, Doutor em Fitotecnia, professor de Plantas Daninhas e Grandes Culturas da Universidade Estadual de Montes Claros; e-mail: aspiazu@gmail.com. https://orcid.org/0000-0002-0042-3324
  • Gismael Francisco Perin Engenheiro Agrônomo, Doutor em Engenharia Agrícola, professor de Engenharia Rural da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim, e-mail: gismaelperin@gmail.com. https://orcid.org/0000-0002-9036-0426

DOI:

https://doi.org/10.17648/sas.v2i1.101

Palavras-chave:

Digitaria ciliaris, Ipomoea indivisa, Zea mays

Resumo

As plantas daninhas Digitaria ciliaris (milhã) e Ipomoea indivisa (corda-de-viola) destacam-se por ocasionarem elevados prejuízos à cultura do milho. Objetivou-se com o trabalho avaliar a interação competitiva relativa entre híbridos de milho na presença de milhã e corda-de-viola, por meio de experimentos em série substitutiva. Os experimentos foram instalados em delineamento experimental de blocos casualizados, com quatro repetições. Primeiramente, tanto para os híbridos de milho (Agroeste - AS 1551 PRO 2, Morgan - MG 300 PW, Nidera - NS 92 PRO and Syngenta - Velox TL) quanto para as plantas daninhas (milhã e corda-de-viola) determinou-se a densidade de plantas em que a produção final se tornou constante (20 plantas vaso-1 ou 463 plantas m-2). Posteriormente foram instalados oito experimentos para avaliar a habilidade competitiva dos híbridos de milho com as plantas daninhas, ambos conduzidos em série de substituição, nas diferentes combinações das espécies, variando-se as proporções relativas (100:0, 75:25, 50:50, 25:75 e 0:100%) de plantas vaso-1 (20:0; 15:5; 10:10; 5:15 e 0:20). A análise da competitividade das espécies foi efetuada por meio de diagramas aplicados a experimentos substitutivos e também pelos índices de competitividade relativa. Aos 50 dias após a emergência das espécies efetuou-se a aferição da área foliar e da massa seca da parte aérea das plantas. Os híbridos de milho e as plantas daninhas foram afetados negativamente, sendo a competição interespecífica a mais prejudicial para as espécies. A cultura apresentou os maiores índices de competitividade, de crescimento, de dominância e de agressividade. Ao se comparar as espécies entre si, o milho foi mais competitivo do que as plantas daninhas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-12-19

Edição

Seção

Artigos Originais (Ciências Agrárias)